sábado, 17 de janeiro de 2009

Nunca





Nunca nos arroguemos o direito de organizar o amor de acordo com as convenções sociais de cada época.
O amor tem as suas próprias maneiras, sabe seus caminhos e é dono de seus superiores recursos.
O que sair do amor será sempre para o bem de todos.
Onaldo Alves Pereira