sexta-feira, 2 de janeiro de 2009

Dor

Dor
- Não há de ser nada, não!
- Mas dói doído, esse corte...
- Não seja mole, menina, que dor ajuda a crescer.
- Mãe, a doer mais minha ferida, a sua palavra me feriu mais.
- Disse o que não falei menina, não tome a sério, releve.
- Mãe, por que a dor?
- Para mostrar a ferida, avisar que existe e precisa ser cuidada. Tudo no mundo tem utilidade, menina.
- Será então que não vi todas as feridas que tenho? Não cuida de mim tão bem o seu cuidado? Estarei tomando o remédio errado? Pois não me dá por avisada a dor.
- Por que alguns têm que responder a tudo, que fingir saber, que sustentar o insustentável, dentre todos mais ainda, as mães?
- Por que queremos saber tanto?
- Por que ter que saber?
- Não é a dor apenas isso, dor?
- Tecido rompido...
Onaldo Alves Pereira