segunda-feira, 12 de janeiro de 2009

Materialidade

Muitos querem negar o corpo, seus desejos e necessidades. Dizem que ele é a gaiola da alma. Essa é uma mentira antiga que, em nome de Deus, permitiu a venda dos corpos dos escravos; sancionou o abuso do corpo da mulher, a violência contra gays e lésbicas e a discriminação aos portadores de deficiências. Essa mentira chamou de bela a pobreza, de privilégio o conforto e colocou nos altares ossos e mártires. Para ela, a única nudez permitida é a dos ossos!
Para neutralizar o espírito diziam que espírito não tem sexo, como se isso fosse um sinal de nobreza!
Desincorporado, o mundo foi facilmente dominado por uma elite que jamais negou seus corpos, que, se para ela também são gaiolas da alma, o são de ouro e almofadadas.
A boa espiritualidade é aquela que preza e mima os corpos e ensina que, de fato, somos corpalmas.
Sem a materialidade do ser, seus gozos e dores, só sobram fantasmas sem lar, gosto ou paz.
Onaldo Alves Pereira