domingo, 28 de dezembro de 2008

Vencimentos

- No meu tempo não era assim. Não havia tanto vencimento. Hoje vence água, luz, prestação disso, conta daquilo. Dizia o cinqüentão, forte, encorpado, rígido na sua postura e ainda tesudo.
- No meu tempo - como se já estivesse fora da cronologia normal, numa outra dimensão. E, aí, desfiava, sem vontade de parar, as mudanças, os desencantos e esquisitices dessa época que não era a dele.
O vencimento das coisas contrariava mais. O estresse decorrente de se ter que manter tudo em dia é desgastante, pensa ele.
- No meu tempo, insistia, só havia sem remédio o dia de nascer e o de morrer, o plantio e a colheita. Fora isso, tudo se ajeitava.
Amado por esposa e filhos, já com neto, cachorro e gato, não se julgava bem servido e arranjara amante. Queria dela o frescor das carnes, o beijo macio e o apertadinho das partes. Recebia tudo isso, mas brochava toda vez que chegava o dia dos vencimentos. No tempo dele não brochara nunca, que não vencia nada que custasse fila, tempo e dinheiro.
Vencimentos à parte, a vida prosseguia, outros tempos, de outros jeitos.
Vencido ele, ninguém fazia fila, pagava ou se preocupava. Seria o caso, ingrato fato, de seu vencimento não caber nas normas desse tempo de outros?! Nem ser o objeto do vencimento valioso o bastante para despertar noutros a obrigação de quitar o devido?!
- No meu tempo...

Onaldo Alves Pereira