quarta-feira, 31 de dezembro de 2008

Palha

As suas mãos cresceram por conta do trabalho duro, calejadas e modeladas para agarrar objetos resistentes e rebeldes. Elas sabiam escassamente o caminho das carícias, arranhavam quando pretendiam alisar, não acalmavam a pele do outro, assanhavam instintos, faziam querer fugir...
Escolhia uma palha longa e forte na espiga, com as unhas e as pontas dos dedos a rasgava miúdo. Arrastando a palha pelos cantos, atraía o gatinho que vinha desconfiado, armando o bote até dar a primeira patada. Depois, seguindo o movimento da palha com a cabecinha, orelhas em pé e os bigodes enormes, como antenas em prontidão, lançava-se todo à brincadeira. Eram pulos artísticos, papirotes no ar, negaceios e, fazeres de conta que havia perdido o interesse pelo brinquedo.
O barulho da palha no chão, o rebrilho dos olhos do bichano...
Os olhos dele nos meus e a palha muda de função. A cócega em meu nariz, o passeio dela pela nuca e por detrás de minha orelha, a pontinha escorregando pelos meus lábios, indo e voltando num passeio sensual. O bichano, aconchegado em meu colo, ronrona satisfeito e sou beijado pelos lábios que antes entresorriam, enquanto arteava com a palha, conquistando com a magia dela, o bichano e eu.
Onaldo Alves Pereira