segunda-feira, 16 de março de 2009

A maior causa de sofrimento humano é a ignorância

A maior causa de sofrimento humano é a ignorância. Sofre-se por não saber. O não entendimento das coisas desestabiliza a capacidade de lidar com elas com sentido e isso faz sofrer.
Aumenta esse sofrimento a solidão. O não saber individual enfraquece a auto-estima, desencadeia as comparações, estimula a auto-depreciação e favorece o pânico.
Apesar da oferta de um credo que supostamente deveria responder a todas as grandes questões existenciais, a comunidade religiosa é de fato uma associação de ignorantes. Na união cria-se uma impressão de certeza. A consciência de ignorância é minorada pela vontade coletiva de saber, que se traduz numa elaboração de fé que não é o mesmo que conhecimento.
Esse esforço tem a sua eficácia abalada e os resultados terapêuticos diminuídos quanto mais ela insiste numa certeza coletiva. Isso cria tensão, racha a unidade por desencadear uma necessidade de afirmação dessa certeza crônica de tal forma que, ao primeiro sinal de fraqueza da mesma, cria-se outra, ou faz-se uma diferenciação da velha. Daí os cismas e heresias presentes em toda a histórias de comunidades de fé.
Uma comunidade terapêutica seria mais eficaz em seu objetivo ao assumir o espaço da ignorância coletiva como fator existencial humano, com o qual nem sempre sabe agir.
Não sabemos, por isso sofremos e temos medo, o que nos une, em primeiro lugar.
Depois, se cabe uma certeza nessa comunidade, que ela seja elaborada coletivamente, seja benigna, não excludente, passível de ser questionada e, sobretudo, pequena.

Onaldo Alves Pereira