quinta-feira, 5 de março de 2009

De sapo a Príncipe!

Vivemos de beijar sapos. Até ai tudo bem, pois que alguns viram príncipes. Todos nós somos isso mesmo, sapos, que se beijados viram o príncipe que de fato já somos também. O problema começa, e não termina, quando não temos a paciência de esperar a transformação, mal beijamos um e já temos os olhos noutro e nisso perdemos o príncipe que vira para nós. Esquecemo-nos de que magia é um negócio que leva tempo para dar resultado; os bruxos e magos são imortais e não têm pressa. Beijar sapos é preciso, esperar que o mesmo venha a ser príncipe para o príncipe que há em nós é necessário.
Onaldo Alves Pereira