sexta-feira, 21 de novembro de 2008


Primeiro o verde
Primeiro o verde, depois a casa. A casa plantada no verde, nele respeitosamente enraizada.
Apreciamos o verde e nele a casa com quantas cores quiser enfeitar-se. Pedir licença ao mato, licença às flores, ajeitar-se sem ferir. Poderosamente discreta, a casa pode ser legítima.
A rua, essa então, há que fazer seu curso rodeada de verde, dando espaço a grupos de árvores, desenhando com capricho canteiros de flores e, parando onde o verde não permitir que continue.
O verde primeiro, depois a casa e, ainda mais posteriormente, a rua.
A cidade é apreciada e feita bela quando, como pedra preciosa, é engastada na natureza, compondo uma jóia preciosa.
Primeiro o verde, depois a cidade.
Onaldo Alves Pereira