terça-feira, 14 de abril de 2009

O amor que liberta


O que o amor permite é legítimo. O que o amor não provoca não vale a pena. Só os limites impostos pelo amor são lícitos. Só a liberdade concedida pelo amor de fato liberta. Qualquer poder que não o do amor trabalha contra a vida.
Onaldo Alves Pereira