quinta-feira, 4 de fevereiro de 2010

Deus é travesti

Deus é travesti
traz em si os contrários
veste o brilho da noite
esconde-se na luz do dia

Nos saltos altos
rebola gostoso
despeja purpurina
por onde passa

Não vês as estrelas?!

Muda de peruca
pra outro show
do verde das matas
retira as cores do outono
e, depois, de branco todo
descansa adormecido
embriagado
esperando
até que as esquinas
ganhem vida
e Deus traveca, feche e abale.


Onaldo A Pereira