quarta-feira, 12 de junho de 2013

Descombinando



Descombinando do céu à terra, as cores vão caindo numa mistura suave, enquanto o sol despenca por detrás do morro. É a noite que se anuncia, puxando o cortinado de estrelas e soltando assombrações. Nada resta de burburinho. Os bichos humanos e os não humanos voltam para suas tocas e inventam bobaginhas de antes de dormir. Nidam os passarinhos. 
Aquieta-se a alma e, é nesta hora que dá para ouvir a Voz quieta que nos calibra a alma para o rumo bom da vida. 
Onaldo