quinta-feira, 23 de maio de 2013

Predestinado eu


A poeira que faço diz ao mundo de onde venho,
que estradas fiz, carrego malas de mudança,
ou trecos de passeio.

E indo muito, viro eu mesmo poeira e, sigo delatando
passos, inventando mapas, puxando pés 
o mundo fica pouco, vou às estrelas.

Predestinado eu.
Onaldo